DESEMPREGO MAIS ELEVADO DE SEMPRE!

Ajude a essa informação chegar até quem precisa.Comente, compartilhe e participe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

De acordo com os dados relativos ao mercado de emprego divulgados hoje pelo INE, a taxa de desemprego atingiu os 12,4% no primeiro trimestre de 2011. Tal facto implica que perto de 690 milhares de pessoas estão desempregadas neste momento.

Se juntarmos os inactivos disponíveis para trabalhar mas que não procuraram emprego, o número de desempregados é de 832,7 milhares, o que corresponde a uma taxa de 14,6%. E se acrescentarmos o subemprego disponível, que envolve 174 mil trabalhadores, este número ultrapassa já um milhão de pessoas.

Esta é uma situação que demonstra como são erradas e injustas as políticas que teimosamente o Governo continua a seguir.

A taxa de desemprego é de 27,8% entre os jovens com menos de 25 anos; 53% dos desempregados estão nessa situação há um ano ou mais e 29,3% há mais de dois anos; o número de beneficiários de prestações de desemprego é de apenas de 297 mil no primeiro trimestre, menos 67 mil do que em igual período de 2010.

Ao contrário do que o Governo procura fazer crer, a responsabilidade da subida do desemprego não resulta do novo método de recolha de dados. Tendo como base o anterior método, constata-se que neste período o desemprego aumentou e o emprego diminuiu, quer relativamente ao trimestre anterior, quer face ao trimestre homólogo. Este é o resultado da aprovação do Orçamento de Estado para 2011 e da recessão económica que já se faz sentir no nosso país.

Mais uma vez estamos na primeira fila da UE, não pelos melhores mas pelos piores motivos: temos o desemprego mais elevado desde que há registos em Portugal.

Mais grave ainda, é que as perspectivas de diversos organismos internacionais apontam para o agravamento da situação, caso o “Acordo” entre a UE-FMI com o Governo do PS, o PSD e o CDS, com o apoio do Presidente da República, venha a ser implementado.

No momento em que se confirma que a denominada “ajuda” à Grécia, deixou este país ainda mais endividado, com mais desemprego, pobreza e desigualdades, insistir na repetição deste processo de saque em Portugal, é inadmissível.

A insistência na defesa do “Acordo” com a troika da UE-FMI, constitui uma capitulação perante a ingerência externa, um ataque à democracia e à soberania nacional, uma negação do desenvolvimento do país e um autentico atentado aos trabalhadores e ao povo.

Para a CGTP-IN é preciso pôr termo a esta politica de desastre nacional. É urgente mudar de políticas para assegurar o crescimento económico, a criação de mais e melhor emprego, uma justa distribuição da riqueza, com o aumento do poder de compra dos salários e das pensões, e assegurar a protecção social, nomeadamente dos desempregados.

Só assim podemos combater o desemprego, a pobreza e as desigualdades e colocar o país no rumo do desenvolvimento económico e social.

A Comissão Executiva do Conselho Nacional

Arménio Carlos

Fonte:
Natália Romano
 
CGTP-IN
 
Área do Emprego, Desenvolvimento,
 
Contratação Colectiva e Participação Institucional
 

 
 
 
Precisa mesmo de imprimir?
 
Decida a favor do Ambiente!


 

Você também vai gostar de ler estes...

Leave a Comment