Consumir primeiro, brincar e se desenvolver depois: é isto o que queremos para nossas crianças?

Pesquisa revela o bombardeio de comerciais nos canais infantis nas semanas que antecederam o Natal.

Cena comum e corriqueira em um supermercado de alguma cidade brasileira: uma menina de quatro anos de idade (1) adentra ao estabelecimento acompanhada de sua mãe. Na área destinada aos cosméticos e produtos de higiene, a criança se dirige à prateleira, pega um sabonete e pede à mãe para comprá-lo. É que aquele produto é um velho conhecido, pois aparece com frequência na TV durante os intervalos de seus desenhos preferidos.

Outros bens de consumo, além de uma infinidade de brinquedos e jogos de todos os tipos e preços são exibidos em grandes quantidades diariamente nos canais com programação infantil. Se esta informação não representa novidade para os pais, principalmente na enorme pressão exercida pelos filhos nas proximidades de datas festivas (Páscoa, Dia das Crianças e Natal), a pesquisa divulgada às vésperas do dia do consumidor (15/3) revela a dimensão do problema.

O estudo conduzido pelo Observatório de Mídia da Universidade Federal do Espírito Santo em parceria com o Instituto Alana e sob coordenação do professor Edgard Rebouças, concluiu que as nossas crianças estão sendo submetidas a uma verdadeira overdose de comerciais exibidos nos intervalos dos programas infantis. O objetivo do trabalho é acompanhar e monitorar a publicidade dirigida às crianças em 15 emissoras de televisão, abertas e fechadas, nos períodos de grande apelo de consumo.

Nas duas semanas anteriores às últimas festas natalinas, os pesquisadores registraram, durante os horários estudados (das 6h às 21h), altos índices de comerciais na programação infantil. O campeão foi o Cartoon Network, com 19% do tempo dedicado aos anúncios. Em segundo ficou o Nickelodeon, com 14%, e empatados em terceiro lugar, com 13%, ficaram o Discovery Kids e o Nick Jr. O espaço dedicado aos comerciais de brinquedos foi de 48% no Cartoon e 46,6% no Discovery Kids.

A pesquisa ainda constatou o alcance de picos de 21’39” de propaganda infantil das 20h às 21h, no Discovery Kids, e média de 18’55” no mesmo canal. Já o Cartoon, registrou picos de 19’00″ de publicidade, em uma hora de programação e média de 17’52” por hora, nas vésperas do Natal.

Esse estudo reforça ainda mais os argumentos a favor da proibição para a publicidade infantil, já adotada em muitos países desenvolvidos.

Os canais infantis são, em geral, bem vistos pelos pais. Desenhos e filmes exibidos possuem uma boa qualidade, divertem as crianças e, ao mesmo tempo, são capazes de transmitir conhecimentos e valores positivos. Infelizmente, este apelo ao consumo em tenra idade faz um contraponto ruim aos benefícios citados.

Não é muito agradável, ou “fofinho” como se costuma dizer, ver as nossas crianças em lojas e supermercados, preocupadas em escolher produtos para a casa, como um sabonete ou desodorante, e até mesmo fazendo escândalo para adquirir aquele brinquedo visto uma centena de vezes na tela da tevê.

O que esperar do futuro de uma sociedade que enxerga as suas crianças como consumidoras?

Nota

(1) Ana Luiza tem quatro anos e é filha do jornalista. 

via ODM

Você também vai gostar de ler estes...

Leave a Comment